terça-feira, 28 de junho de 2011

Larry Pinkey: “EUA realizaram guerra química contra os panteras negras”





Internacional : “EUA realizaram guerra química contra os panteras negras”
em 17/05/2010

A Verdade entrevistou por e-mail o veterano líder dos panteras negras Larry Pinkney para saber um pouco mais sobre a história do Partido dos Panteras Negras (PPN), fundado em outubro de 1966 em Oakland, Califórnia, e ouvir a opinião do ex-preso político norte-americano sobre o governo de Barack Obama. Na entrevista, Pinkney confirma que, nas décadas de 1960 e 70, o governo dos EUA realizou uma guerra química para criar divisões nas comunidades negras do país E impedir o crescimento do partido.

Larry PinkneyA Verdade – Quando você decidiu fazer parte do Partido dos Panteras Negras?
Larry Pinkney – Ao se tornar claro para mim que o racismo, o capitalismo e o imperialismo estão todos interconectados e que uma organização de massas, em nível nacional, era necessária para educar politicamente e organizar os negros e outras pessoas oprimidas para denunciar e desafiar o complexo empresarial-militar que dita as regras no sistema político nos Estados Unidos, eu entrei para o Partido dos Panteras Negras.

A Verdade – Como surgiu o Partido dos Panteras Negras?
Larry Pinkney – O Partido dos Panteras Negras foi essencialmente um partido político marxista-leninista radical, nacional, baseado em comunidades com uma forte solidariedade pelas lutas de libertação do povo, particularmente através do assim chamado “terceiro mundo”. Os panteras negras começaram em Oakland, Califórnia, e rapidamente se espalharam pelas comunidades negras de todos os Estados Unidos. A plataforma fundamental e objetivos do Partido foram materializados em seu Programa de Dez Pontos.

A Verdade – Hoje, o que você mudaria no programa?
Larry Pinkney – Eu provavelmente manteria, mas ajeitaria todo o Programa de Dez Pontos. Incluiria uma frase no ponto número 5, que se refere a como o povo negro é deliberadamente desinformado por alguns que, apesar de biologicamente serem negros, não passam de cães de guarda do sistema capitalista norte-americano. Eu poderia também, em uma extensão reduzida, expandir os pontos 3, 4, 7, 9 e 10 simplesmente para evocar na mente das pessoas realidades do século 21. Também poderia acrescentar um ponto mais especificamente vinculado à solidariedade e ao internacionalismo, à relação entre as lutas dos povos no mundo.

A Verdade – O que mudou na política dos EUA nas últimas décadas?
Larry Pinkney – Duas coisas fundamentais mudaram. A primeira foi a falta de uma organização política negra de esquerda real e efetiva baseada em comunidades por todos os Estados Unidos, e a segunda, uma enorme queda do nível de consciência política de parte das massas de negros (e outras pessoas de cor) nos EUA.

A Verdade – É possível mudar radicalmente a sociedade por meios pacíficos?
Larry Pinkney – O sistema capitalista prospera sobre a divisão e exploração dos povos de todas as cores. Da maneira como o sistema define os “métodos” aceitáveis para mudá-lo, não haverá mudanças radicais enquanto o sistêmico paradigma do poder permanecer essencialmente inalterado, o que significa que não há reais mudanças radicais no sistema capitalista. Mudanças superficiais são de fato mera cortina de fumaça e, por conseqüência, definitivamente não são mudanças radicais. Só o povo pode e deve decidir quais métodos utilizar para realizar uma “mudança radical”, e isso necessita de organização de massas e politização.

A Verdade – Qual a principal realização do PPN para o povo norte-americano?
Larry Pinkney – A principal realização do PPN na luta do povo, nos Estados Unidos, foi a elevação de sua consciência através dos vários programas populares gratuitos como o café da manhã para crianças, atendimento médico, programa escolar, programa de calçados, programa de alimentação para todas as pessoas da comunidade, programa de transporte gratuito para que as pessoas pudessem visitar seus parentes na prisão. Além disso, o PPN demonstrou e provou que uma organização política de negros nacional, maciça, efetiva e radical era de fato possível. A oposição e a brutal repressão do governo dos Estados Unidos (Partidos Democrata e Republicano) contra o PPN, combinada com a constante desinformação promovida pelos meios de comunicação corporativos e o inescrupuloso programa do governo [conhecido como Cointelpro, sigla em inglês de Programa de Contrainteligência] para enquadrar, desacreditar, assassinar e prender panteras negras levou ao desaparecimento do PPN. Numerosos fundadores do PPN permanecem até hoje presos, como resultado direto do esforço repressivo do governo descrito antes.

A Verdade – Quais foram os efeitos da guerra química do governo estadunidense contra o PNN e qual a política do governo sobre a questão das drogas hoje?
Larry Pinkney – É um fato irrefutável que o governo dos Estados Unidos fez uso de guerra química, não apenas contra o PPN, mas também contra os negros e outras comunidades. Não é mera coincidência que despejos de lixo e materiais perigosos são preferencialmente lançados próximo a comunidades pobres e negras e nas terras de populações indígenas nativas. É também um fato irrefutável que o governo dos Estados Unidos fez uso de um horrível tipo de subterfúgio pelo qual drogas pesadas, como a heroína, ficassem facilmente disponíveis especialmente em comunidades negras. Isso foi algo devastador para as comunidades negras, e suas terríveis consequências são sentidas profundamente até os dias atuais. Além disso, hoje, o fenômeno do crack e da cocaína não só não é coincidência, como também serve tanto para facilitar a violência como a desunião nas comunidades negras e em outras, enquanto, ao mesmo tempo, promove outra arma legal para o governo botar na prisão massas de pessoas pobres. O fato é que o governo é profundamente cúmplice do uso de drogas que ocorre hoje, pois essa situação serve para manter negros e outras comunidades neutralizadas e sob controle. A assim chamada “guerra às drogas” do governo, a exemplo de sua “guerra ao terrorismo”, é falsa e constitui mecanismo para repressão e controle político. A responsabilidade do governo dos Estados Unidos nesse horror pode ser resumida em apenas duas palavras: subterfúgio e negação.

A Verdade – Qual o significado da eleição de Barack Obama como presidente dos Estados Unidos?
Larry Pinkney – A eleição e o gerenciamento de Barack Obama na cabeça do império estadunidense é terrível, não apenas para o povo dos Estados Unidos, mas para o povo do mundo inteiro. Obama é um fantoche do lóbi militar-industrial. Sua chegada à presidência foi um empreendimento bem-sucedido da parte das classes mandantes desta nação e também levou as pessoas deste país a acreditar que uma mudança superficial na pigmentação da pele de alguma forma significaria uma mudança na política sistêmica, o que não aconteceu. Na realidade, Obama é um teleguiado e agora uma potente ferramenta nas mãos da elite corporativa e das classes dominantes desta nação. Em termos reais, e apesar da sua falsa retórica, a eleição de Obama está provando ser especialmente devastadora para negros e pobres dentro dos Estados Unidos. Ilusão e mito não devem jamais ser confundidos com realidade.

A Verdade – Como a recente crise do capitalismo afetou o povo dos Estados Unidos?
Larry Pinkney – Esta última crise aumentou a destruição da infraestrutura dos Estados Unidos e levou a um maciço crescimento do desemprego, dos despejos, da privatização da educação pública, da intensificação da degradação ambiental, da ampliação dos ataques do governo contra os sindicatos e filiados, bem como conduziu ao aumento da política de repressão interna e externa, no aspecto da continuação e exportação do “Ato Patriótico”– isto é, a continuação e exportação, pelos interesses militares e corporativos dos Estados Unidos, das guerras de agressão e imperialistas no Afeganistão, Iraque, Paquistão e onde quer que seja. O povo dos Estados Unidos está sofrendo cada vez mais, mas os meios de comunicação corporativos continuam agindo como quinta-coluna do governo dos Estados Unidos mediante a omissão e a constante disseminação da desinformação e de mentiras gritantes.

A Verdade – Qual foi a política interna dos Estados Unidos em relação à crise?
Larry Pinkney – A reação do governo à crise do capitalismo consistiu em sustentar criminosamente a mais alta elite das corporações de Wall Street, os responsáveis pela crise. O governo também usa táticas que vão do embuste ao medo – como essa falsa reforma da saúde, que é na verdade apenas outro grande presente financeiro para a elite corporativa. De manutenção do medo no povo ao propagar ameaças do “terrorismo”.

A Verdade – Como se encontra o movimento revolucionário nos Estados Unidos?
Larry Pinkney – O povo está se tornando cada vez mais consciente das contradições brutais desse sistema. Por exemplo, a juventude começa a se engajar em protestos maciços contra os preços escorchantes que se espera que ela pague pela educação universitária. Pessoas de diversas idades e cores estão se organizando e protestando contra a intensificação dos assassinatos por policiais (como o brutal assassinato de Oscar Grant, na Califórnia). O movimento antiguerra caminha de maneira vagarosa, porém constante, e também está indo às ruas. As pessoas começam a entender que o regime de Obama não é muito diferente do de seu predecessor. Todavia, a repressão governamental e policial e a omissão também estão crescendo nos Estados Unidos, e existe uma oportunidade e necessidade real para uma efetiva organização de massas capaz de reunir todas as questões acima mencionadas.

A Verdade – Qual a sua opinião sobre a política externa dos Estados Unidos?
Larry Pinkney – A política externa dos Estados Unidos é no fundo, a mesma de sempre, só que agora pior. É uma política de hipocrisia, agressão militar e mentiras. No exterior, por exemplo, os Estados Unidos arrotam sobre direitos humanos quando na verdade são os maiores violadores dos direitos humanos no planeta. A política externa estadunidense continua a ser uma tentativa de conter, controlar e dominar as legítimas aspirações dos povos de todo o mundo. Os Estados Unidos exportam reatores nucleares (para lucrar) para outras nações aliadas enquanto clamam, hipocritamente, preocupação com o meio ambiente. Entretanto, sua política externa é proibir, por exemplo, fazendeiros de outros países de usar suas próprias sementes para plantar comida, enquanto pressiona esses mesmos fazendeiros e suas famílias a usar as sementes geneticamente modificadas da Monsanto e outras corporações estadunidenses. Em essência, a política externa dos Estados Unidos é, em todos os níveis, uma política de omissão, de mentiras e de dominação. A política externa dos Estados Unidos é um reflexo de sua política interna.

O Partido de Autodefesa dos Panteras Negras (Black Panther Party for Self−defense)

Foto do Partido dos Panteras Negras

O nome Pantera Negra foi escolhido para o partido em razão da natureza da pantera: a pantera não é de atacar a alguém em primeiro lugar; mas quando é atacada e encurralada, responde ferozmente e sem piedade ao seu agressor, o que faz uma ligação com a idéia de “autodefesa” defendida por Malcolm X. Os dez pontos do programa defendidos pelo partido são:

Queremos liberdade. Queremos poder para determinar o destino da comunidade negra.
Queremos emprego para todo nosso povo.
Queremos o fim do roubo dos capitalistas a nossa comunidade negra.
Queremos moradias decentes, apropriadas para abrigar a seres humanos.
Queremos educação para nosso povo que exponha a verdadeira natureza desta sociedade decadente americana. Queremos uma educação que nos ensine nossa verdadeira história e nosso papel na sociedade de hoje.
Queremos que todos os negros sejam isentos do serviço militar.
Queremos um fim imediato da brutalidade policial e a os assassinos de gente negra.
Queremos liberdade para todos os homens negros presos em prisões federais, estatais, municipais e locais.
Queremos que toda a gente negra que seja levada a julgamento seja processada por um júri de sua raça ou gente da sua comunidade negra, tal como vem definido na Constituição dos Estados Unidos.
Queremos terra, pão, casas, educação, roupa, justiça e paz. E, como nosso maior objetivo político, um plebiscito supervisionado pelas Nações Unidas que será realizado em toda a colônia negra onde somente os sujeitos coloniais negros possam participar, para o propósito de determinar a vontade do Povo Negro assim como seu destino nacional.

Bruno Cruz, Rio de Janeiro

Charge de Larry Pinkney

Um comentário:

  1. Muito bom o blog!
    Já está divulgado nas minhas redes!

    Beijo,

    ResponderExcluir